Os Meus Artigos

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Último dia de um ano...

 
...conturbado!
 
 
Não ligo a grandes festanças de passagem de ano. Para mim, é apenas uma mudança de agenda e calendário. É um dia e uma noite como as outras, vá... come-se e bebe-se mais do que em dias normais!
 
Não cumpro tradições por imposição nem rituais de superstição. Não faço reflexões propositadas nesta data, nem promessas ou pedidos especiais. Os sonhos simples e a esperança comandam a minha vida a cada dia que passa, e cá vou lutando por eles, uns dias mais forte entre outros quase a perder a resistência, mas sem desistir.
 
E, nesta data tão significativa para muitos de vós, o que mais desejo é que usufruam da vida como ela se vos apresenta. Não desistam das vossas conquistas, vivam um dia de cada vez, realizem sonhos e projectos, valorizem a natureza, percam os medos e inseguranças, celebrem as alegrias, transformem as coisas menos boas em sabedoria, promovam a paz e a harmonia, façam as vossas próprias escolhas, sorriam, brinquem, façam acontecer, partilhem, amem, cantem, abracem, façam mais por um mundo melhor!
 
Feliz Ano de 2013 e que sejamos todos muito mais FELIZES!
 
 

domingo, 30 de dezembro de 2012

Sunday's Music e...


... Feliz Ano Novo!



 
...
Look at the stars,
Look how they shine for you,
And all the things that you do
...
 
A poucas horas da entrada num novo calendário... vale sempre a pena não desistir de olhar as estrelas, de continuar a sonhar, de pensar positivo e sobretudo de acreditar... que, podemos sempre melhorar, um pouquinho a cada dia que passa :)
 
Votos sinceros de um Novo Ano cheio de esperança, união, amizade, muita saúde e apesar do que se antevê, que reine a Felicidade!
 
 

domingo, 23 de dezembro de 2012

Sunday's Music e...

... a música de hoje só podia ser esta!


 
 
Feliz Natal a todos!
 
 
 


sábado, 22 de dezembro de 2012

O espírito natalício...

... demorou a chegar, mas chegou!
 

 
 
A árvore de Natal é a loucura da malta  felina cá da Tasca!  E, este ano, o presépio foi feito dentro de uma pêra de vidro numa tentativa de resguardar o Menino Jesus das unhacas dos miaus... mas, mesmo assim não há hipótese... patitas pelo buraquinho e...
 
 
 
 
 
- Meninos!!! Quietos!
- Nhau nhau! Renhau nhau!
- Deixem o Menino Jesus descansar nas palhinhas!
- Nhau! Renhaunhaunhau!
 
 
 

domingo, 16 de dezembro de 2012

Sunday's Music


A ver se trato de pôr em prática as decisões decididas na Assembleia Geral Extraordinária da passada semana.




Uma boa semana a todos!


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O número 12 é...

... mesmo muito especial para mim!

Por isso, hoje também é um dia especial! :)
 
 

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Acta nº 1

Aos dez dias do mês de Dezembro do ano da graça de dois mil e doze, pelas vinte e uma horas e trinta minutos, reuniu em Assembleia Geral Extraordinária a administração da Tasca da Cenourita, sociedade por quotas com metade do capital realizado e outra metade por realizar e representada pelas duas sócias maioritárias, Xô Dona Anabela e Xô Dona Cenourita, para resoluções efectivas de assuntos pendentes e já a roçar o chão de desmesurado arrasto. Tendo sido rigorosamente seguida a ordem de trabalhos constante na convocatória, ambas a sócias deliberaram o seguinte:
 
1. Dar importância somente àquilo/a quem realmente a merece.
2. Usar o botãozinho on/off sempre que necessário.
3. Usufruir melhor das coisas boas da vida em detrimento daquelas que não nos acrescentam nada de bom.
4. Enterrar a palavra "stress" e adubá-la com positivismo de modo a obter colheitas frutíferas.
5. Perder (de modo a que ninguém encontre) o ar carrancudo e espalhar sorrisos por todo o lado.
6. Voltar a escrever.
7. Responder a mensagens, comentários e e-mails atrasados e daqui em diante não deixar nada por responder.
8. Conviver mais com os/as Amigos/as.
9. Voltar a ter gosto em cozinhar.
10. Sair sempre com a máquina fotográfica e registar todos os momentos, que aquela coisa não serve para nada dentro do armário.
11. Postar no blog as receitas dos petiscos confeccionados há meses e outros há mais de um ano.
12. Voltar a beber um tinto de vez em quando porque faz bem ao sangue.
13. Nunca esquecer de agradecer pelas coisas boas.
14. Recuperar a paciência e a auto-estima perdida.
15. Aprender a viver com as mudanças e um dia de cada vez.
16. Manter os pratos da balança equilibrados.
17. Readquirir o espírito natalício e enfeitar a Tasca.
18. Sonhar colorido.
19. Relaxar.
20. Viver!
 
E por nada mais haver a tratar, deu-se por encerrada a Assembleia Geral Extraordinária e redigida a presente acta que, pelas sócias vai ser devidamente assinada.
 
Anabela
Cenourit@
 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Após minuciosa análise...

... à minha vidinha dos últimos tempos, meses mesmo, reuni em assembeia geral extraordinária comigo própria!
 
 
 
 
Eu, Anabela, sentada num topo da mesa e a outra eu, Cenourita sentada no outro. Frente a frente e olhos nos olhos como convinha. Dado haver quórum, demos por aberta a sessão. Abordámos todos os temas que constavam na lista, e se eles eram mais que muitos. Debatemos civilizadamente as várias hipóteses de solucionar alguns, entrámos em acordo no respeitante a outros, arquivámos aqueles que possam ter importância no futuro e mandámos para a reciclagem todos os que já não fazem sentido.
 
Selámos com um forte aperto de mão o compromisso que assumimos uma com a outra, redigimos e assinámos a devida acta que será publicada amanhã.
 
 
Tinha que ser... porque a vida é para ser vivida!
 
 

sábado, 8 de dezembro de 2012

Um dia, tinha que ser...

... eu sei!
 
 
 
 
Todos os passarinhos saem do ninho e aprendem a voar sózinhos. Hoje foi o dia. Não foi como eu sempre imaginei, mas o que mais desejo é que voes sempre alto e que te saibas defender dos predadores!
 
E assim, a tasca vai ficando mais vazia...
 
 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O Teu Rosto Será o Último

Um livro fascinante!
Um livro muito interessante de ler. A história de uma tradicional família portuguesa com retalhos vincados da guerra colonial. Repleto de situações inesperadas, umas cómicas, outras muito realistas, outras cheias de emoção e outras em que identificamos alguém nosso conhecido e até nós próprios em dada altura das nossas vidas.
Sinopse:
Tudo começa com um homem saindo de casa, armado, numa madrugada fria. Mas do que o move só saberemos quase no fim, por uma carta escrita de outro continente. Ou talvez nem aí. Parece, afinal, mais importante a história do doutor Augusto Mendes, o médico que o tratou quarenta anos antes, quando lho levaram ao consultório muito ferido. Ou do seu filho António, que fez duas comissões em África e conheceu a madrinha de guerra numa livraria. Ou mesmo do neto, Duarte, que um dia andou de bicicleta todo nu.
Através de episódios aparentemente autónomos - e tendo como ponto de partida a Revolução de 1974 -, este romance constrói a história de uma família marcada pelos longos anos de ditadura, pela repressão política, pela guerra colonial.
Duarte, cuja infância se desenrola já sob os auspícios de Abril, cresce envolto nessas memórias alheias - muitas vezes traumáticas, muitas vezes obscuras - que formam uma espécie de trama onde um qualquer segredo se esconde. Dotado de enorme talento, pianista precoce e prodigioso, afigura-se como o elemento capaz de suscitar todas as esperanças. Mas terá a sua arte essa capacidade redentora, ou revelar-se-á, ela própria, lugar propício a novos e inesperados conflitos?
Um autor português que exprime de uma forma crua e por vezes dura, uma época e uma sociedade carregada de vivências que fazem parte da história do povo português.
Um livro que junta história, geografia e uma espécie de psicologia - digo eu...
Um livro que me levou-me a sítios conhecidos e a outros que só conheço de ouvir contar. Um livro que me agarrou do princípio ao fim. Um GRANDE LIVRO! Bem merecido o Prémio LeYa 2011!

domingo, 25 de novembro de 2012

Sunday's Music

Relembrando velhos tempos...


 
 
Com votos de uma excelente semana a todos! :)
 
 


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

- Vens comigo aos Amores?

 
- Vou pois!
 
 
 
E se um cavalheiro vos convidasse a ir aos Amores? Alguém tinha coragem de recusar?
 
Ora eu, não tive! Aceitei de imediato e lá fomos os dois. Comecei por abrir a porta do lado do pendura para entrar no latão do cavalheiro (que se fosse mesmo mesmo mesmo cavalheiro ter-me-ia aberto ele), e...
- Ops! Eu deveria vir de chinelinho de quarto, não?!?! - o tapete brilhava de limpeza de tal modo que até tive medo que um simples grão de areia da calçada pespegado à sola do meu sapatinho de cinderela se enfiasse naquelas nesgas imaculadas.
- Uh! 'Tás parva? - ele a disfarçar a despreocupação.
- Ok! Fica tranquilo que eu não pouso aqui os pés... vão no ar e assim aproveito para fazer uns abdominais! - eu a mostrar cuidado e tentar passar a imagem de grande desportista.
- Opah! 'Tás memo parva, hoje! - o cavalheiro a esforçar-se por ser simpático.
Seguimos o caminho que nos levava aos Amores. Virar aqui, virar ali, seguir por acolá.
- Olh'á linha do combóio! Pára!
- Não páro nada, tem cancelas e estão abertas!
- Mas pára-se sempre e olha-se para os dois lados!
- Ai que tu 'tás impossívelmente parva hoje!
Muita conversa pelo caminho até chegar ao destino, Os Amores, e na volta até à cidade.
- Viste? Viste aquele carro que se cruzou connosco?
- Eu não!
- É igual ao do fulano tal, só que o dele é preto!
Mais blá blá blá atropelando conversas e deixando outras a meio, e...
- Viste? Viste os faróis daquele? E os espelhos laterais?
- Eu não! Não vi nada!
Blá blá blá e conversas que não chegam ao fim com tanta interrupção, e...
- Viste? Viste aquele BM branco? E a gaja que ia a conduzir que mal se via?!
- Ah! Era telecomandado! - eu a fazer de conta que tinha visto.
- Ah! Afinal vês tudo como eu! - o cavalheiro todo convencido.
Mais blá blá blá e conversas sem princípio, meio, nem fim, e...
- Opah! Vê! Vê aquela carrinha que vai cruzar connosco! É feia todos os dias!
- Qual carrinha? - eu que não tinha visto nada.
- Então não viste? Passou mesmo agora por nós...
Ainda olhei pelo retrovisor, ainda me virei para trás, ainda me esforcei para ver a dita carrinha, quase fiquei com um torcicolo e não consegui ver a p*ta da carrinha. A inconveniência da curva e contracurva não me permitiu alcançá-la e eu... fiquei muito chateada. (cof cof cof)
Chegámos aos Amores. O cavalheiro tratou do assunto que o lá levara. Eu acompanhei. Fizémos o caminho de volta à cidade e, os carros, os modelos, os condutores, os espelhos, as jantes, as antenas, os faróis, as escovas limpa pára-brisas, os combustivéis, os cavalos, o óleo, os capots, os tectos de abrir mais os panorâmicos e mais os normais, as centralinas, os pneus, os estofos, os liquídos de refrigeração, os sensores, as caixas de velocidades, os travões, os chassis, os cruise control, as suspensões, as pastilhas, os tapetes... ai os tapetes é que me tiram do sério... ai se o cavalheiro entrasse na minha latinha... ai que os tapetes estão um nojo... ai com a chuva dos últimos dias e mais o entra e sai e mais a falta de vontade de os sacudir...ai os tapetes... qual sacudir?... ai que aquilo tem que ser mas é lavado, bem esfregado e envernizado e mais qualquer coisa terminado em "ado"... ai que vergonha... ai que tenho que lavar a minha latinha... ai que tenho que lhe fazer uma higienização de cima a baixo... ai que se tenho que dar boleia a alguém é uma vergonha... ai os tapetes... ai que nojo... ai que nem consigo contar as pedras quanto mais os grãos de areia enfiados nas nesgas dos tapetes da minha latinha... ai que vergonha a minha...
- Viste? Viste? Viste aquela carapaça com rodas? E anda, pah!
- Não, não vi!
- Então não viste? E a fumarada do escape? Aquele é que não circula nem nos subúrbios de Lisboa! Não me digas que viste?
- Ai digo, digo! Não vi, não!
- Mas o que é que tu vês, melher?!
- Olha, vejo os campos, as casas, os jardins, as folhas caídas na beira da estrada, as chaminés a fumegar... E vi, um gato naquela janela, um cão preso à corrente naquele quintal, as laranjeiras carregadas de laranjas, e naquele terreno um lindo couval, uns canteiros de nabiça que dá gosto, troncos de árvores mortas alinhados e amontoados com destino marcado, uma senhora idosa que caminhava pela beira errada da estrada, e vi as nuvens e uns rasgos de céu azul e também vi o sol, vi tudo e não vi nada.
- Olha! Olha! Vê!
- Vejo o quê?
- A matrícula daquele...
- Ai o tapetes!
- O que foi? Queres parar com a cena dos tapetes...
- Ao deslumbrar-me com a paisagem esqueci-me e relaxei os pés nos tapetes, e...
Não me deixou dizer mais nada!
 
E agora prezados leitores, vós já tendes ido aos Amores? Vós sabeis o caminho para os Amores? Vós estais curiosos em saber onde ficam os Amores?
 
Os Amores, como eu e o cavalheiro lhe chamamos, é uma freguesia do concelho de Leiria. O nome dela é Amor e reza a história que associado a este baptismo está uma lenda do tempo do rei D. Dinis. Podem ler tudo aqui.
 
- Ai os tapetes!



domingo, 18 de novembro de 2012

Sunday's Music




Votos de uma Boa Semana!
 
 
 

domingo, 11 de novembro de 2012

Sunday's Music

Dois Sunday's Music sem outro post pelo meio... ai ai qu'isto anda mesmo paradito...



...
Ninguém te vai parar, perguntar...
Fazer saber... Porquê?
Por isso vê, não basta ir, voar, seguir,
O cerco ao fim,
Aperta, trai, morde, engana a sorte, cai,
...
 
Ums excelente semana a todos :)
 
 

domingo, 4 de novembro de 2012

Sunday's Music




What doesn't kill you makes you stronger, stronger...


Oh grande verdade!

A todos uma excelente semana :)

sábado, 3 de novembro de 2012

Gosto, mas...

... tem dias que não me apetece ou então, estou do contra!
 
Gosto de arroz... mas tem dias que prefiro batatas.
Gosto de companhia... mas tem dias que prefiro estar só.
Gosto de vermelho... mas tem dias que o castanho é a minha cor.
Gosto de conduzir... mas tem dias que prefiro ser conduzida.
Gosto do sol... mas tem dias que é a lua que me enche a alma.
Gosto de escrever... mas tem dias que não suporto o peso da caneta.
Gosto de cozinhar... mas tem dias que nem consigo entrar na cozinha.
Gosto de passear... mas tem dias que nem quero pôr os pés fora de casa.
Gosto de ler... mas tem dias que não há concentração possível.
Gosto de rosas... mas tem dias que as papoilas são as minhas flores preferidas.
Gosto de havaianas... mas tem dias que me sinto melhor descalça.
Gosto de rir... mas tem dias que os meus músculos bochechais se negam a colaborar.
Gosto de ouvir... mas tem dias que me apetece tapar os ouvidos.
Gosto da chuva... mas tem dias que só o sol me alegra.
Gosto de chocolate... mas tem dias que lhe viro a cara.
Gosto de carteiras e malas... mas tem dias que um simples saco de plástico me serve perfeitamente.
Gosto de música... mas tem dias que me esqueço de a ouvir.
Gosto de mel... mas tem dias que a sua doçura me amarga tanto.
 
Gosto de milhões de outras coisas... mas tem dias que nem me lembro que elas existem...



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Sapatos Italianos


Foi o primeiro livro que li de Henning Mankell, o tão conhecido autor de famosos policiais e literatura infantil e adorei este romance!
Uma narrativa maravilhosa e por vezes desconcertante sobre a vida de um homem aprisionado da sua própria vida e que tem como companhia apenas um cão e uma gata e um ninho de formigas. Refugiado na sua ilha onde apenas recebe a visita do carteiro, carrega com ele o segredo de um erro cometido quando de repente, uma visita inesperada o obriga a regressar ao passado e a partir daí nada será como ele esperava.
Desencontros, doença, família, sofrimento, acaso, oportunidade, desconhecimento, encontros, medos, descobertas... a vida de um homem numa viagem perturbadora e estranha num cenário único e totalmente imprevisível.
Sinopse:
Fredrik Welin passou os últimos doze anos da sua vida numa ilha do Báltico rodeada de gelo, tendo como única companhia o seu cão e a sua gata, e como única visita o carteiro. Um dia, vê uma figura aproximar-se lentamente e percebe que nada voltará a ser o mesmo. A pessoa que vem perturbar o seu exílio autoimposto é Harriet, a mulher que ele abandonou sem qualquer explicação há quase quarenta anos. Harriet diz vir obrigá-lo a honrar uma promessa que ele lhe fizera, mas Fredrik está prestes a descobrir que o seu reaparecimento esconde outra surpresa...
Um livro daqueles que prende o leitor. Um livro que classifico de excelente e que recomendo vivamente!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Meu querido...

... mês de Novembro!
 
 
 
Chegaste frio e com aguaceiros e hoje, no teu primeiro dia, não me importei com isso. Trouxeste na bagagem o cheirinho das castanhas assadas. Não lhes toquei, só as cheirei e não me importei com isso. Trouxeste o aroma de um assado no forno para o almoço em família que se espalhou pela casa e soube-me bem. Trouxeste a dose de descanso que eu tanto necessitava e soube-me bem. Trouxeste movimento e alegria a esta tasca e soube-me bem. Trouxeste serenidade que me permitiu ler e até escrever e soube-me bem.
Estás a pensar que te vou pedir alguma coisa? Não, não vou! Apenas te quero agradecer pelo dia de hoje!
 
 

domingo, 28 de outubro de 2012

Sunday's Music



 
 
Everything's gonna be all right.
Rock-a-bye, rock-a-bye.
Everything's gonna be all right.
Rock-a-bye, rock-a-bye, rock-a-bye

Este refrão diz-me que sim... tudo vai correr bem :)

A todos, uma excelente semana e que tudo vos corra muito bem!

 

Bom dia!


 
Mudou a hora e eu desejei assim muito, muito, muito, conseguir dormir mais um pouco... *
 
 
 
 
Negativo! Não consegui! Mas também não estou preocupada com assunto e vou aproveitar o dia para me dedicar a fazer coisas que gosto e que tenho abandonado completamente nos últimos tempos.
 
Para começar, vou equipar-me e fazer exercício físico. Está uma manhã convidativa a sair porta fora para uma bela caminhada à beira rio. Depois disso... será ao sabor da vontade...
 
* Por isso, saiu este mini post para vos desejar um Bom Domingo!


 

domingo, 21 de outubro de 2012

Sunday's Music






Boa semana!


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Prove que não se trata de um robot...

... é uma mensagem que aparece na caixa de comentários de muitos blogs que sigo habitualmente!
 
 
 
 
Ora, eu leio muitos blogs e gosto de muitos artigos que lá são postados, mas não tenho tempo nem condições de comentar sempre. Muitas vezes até pretendo fazê-lo e chego a escrever o comentário mas ao submetê-lo aparece logo aquela cena de introduzir os caracteres manhosos e eu fico possessa e acabo por não comentar... Tento uma, tento duas e chego a tentar três vezes quando considero que aquilo que pretendo dizer até é importante para quem escreve ou para mim própria, até que desisto porque não há paciência para levar constantemente com a mensagem de que os caracteres são inválidos.
 
Na plataforma blogspot não considero que seja preciso usar este tipo de segurança, pelo menos no meu blog não tenho nem sofro de spam, uma vez que o blogger filtra esse tipo de situações.
 
Vocês, bloggers que têm isto activado acham que é mesmo necessário?
 
 

domingo, 14 de outubro de 2012

Sunday's Music


Muse, é só o que me apetece ouvir! No estalo!*





Com votos de uma boa semana a todos os que por aqui passam!


* tive que me controlar um cadinho para não "despejar" aqui uma dezena de vídeos

sábado, 13 de outubro de 2012

Candidato...

... a um emprego!


 
Com esta instrução, experiência e proactividade... quem é que resiste a "contratar" um?
 
Dispensa remuneração e subsídios. Exige carinho, compreensão, comidinha e água fresca, alguns brinquedos, uma mantinha quente e uma cama fofinha. Em troca dá muito mimo, muita animação, muita companhia, muitas turrinhas, muitos ron ron's e promete ser um amigo para a vida.

Mais palavras para quê? Vida de gato... :)


domingo, 7 de outubro de 2012

Sunday's Music

 
 

 
 
Ainda não vos tinha dito que gosto muito desta música, pois não?
 
A todos, uma excelente semana!
 
 

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Dia Mundial do Animal

Hoje é o Dia Mundial do Animal!
 
Aqui esse dia é todos os dias! E um dos meus grandes sonhos era poder fazer mais pelos perdidos, maltratados e abandonados. Recolhê-los, cuidá-los, alimentá-los, e proporcionar-lhes uma vida longa e feliz junto dos humanos. Quem me dera que todos os animais tivessem um lar e uma família como os meus têm...





Os animais são os nossos melhores amigos. Não falam a nossa língua mas compreendem-nos tão bem. Transmitem-nos uma paz e uma serenidade que só quem com eles convive conhece!


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Apontamento mental do dia...

... a reter!
 
Bom, não é bem do dia, é mais... dos últimos dias!
 
 
 
- Cenourita Maria! Quando estiveres ao telefone com alguém não é de bom tom passares a chamada inteira a bocejar! Fica-te mal melher!
 
 
 
 

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A minha "espécie" de despedida...

... do Verão!
 
Foi ontem. Eu, a minha latinha, a música da M80 e a máquina fotográfica.
 
Entrei na latinha, tirei-a da garagem, contornei o edifício e, chegada à beira da estrada principal quase saltei pela janela quando ouço perguntar:
- Onde vamos?
- Ai!!! Ca susto pah!!!
- 'esculpa!!!
- Pronto! Pronto! 'tás desculpada, mas para a próxima apita antes de me falares!
- Pensei que te poderia assustar e assim resolvi falar-te ao ouvido...
- Linda menina!
- Mas onde vamos, afinal?
- Sem destino minha linda, sem destino...
 
Até que chegámos aqui... Que maravilha! 27º de temperatura do ar, água excelente...
 




 
 
A albufeira de Castelo de Bode estava assim... linda como sempre. E só não mergulhei porque o traje de banho tinha ficado em casa. Molhei os pés e soube-me tão bem...
 
 
Os meus passeios estrada fora, ao som de boa música são sempre revigorantes. E, como diz uma grande Amiga minha - Só te falta o São Bernardo! - ao que eu respondo - Ou o Boxer, o Labrador, ou um rafeiro dos grandes...

domingo, 30 de setembro de 2012

Sunday's Music


 
 
 
No I don't know where I'm going
But I sure know where I've been
 
(...)
 
'Cause I know what it means
To walk along the lonely street of dreams
 
 
De volta também à música... e votos de uma boa semana a todos! :)
 
 


sábado, 29 de setembro de 2012

Parece que fugi daqui...

... sem avisar ninguém! Parece, não... É mesmo verdade!
 
A falta de inspiração, o défice de paciência, o declínio de concentração, a ausência de vontade, as publicações a escassear... e, pufff!!! Sumi-me daqui e de quase tudo o que compõe a minha existência...
 
Senti-me invadida por uma onda gigante de apatia, de silêncio, de cansaço mental, de introspecção, de desilusão. Enquanto isto, e numa tentativa de me erguer resistindo à força poderosa do motor que teimava em me sugar para o fundo do poço, destralhei a casa livrando-me de coisas desnecessárias, caminhei junto ao rio e à beira mar, alambazei-me a comer gelados, li livros e jornais.
 
Quando dei conta, o Verão tinha ido embora sem que me despedisse dele e o Outono tinha ocupado o seu lugar no calendário. Os dias grandes, cheios de sol e temperaturas elevadas nunca me tinham sabido tão bem como este ano e contrariamente ao que é habitual em mim, podiam continuar, continuar, continuar... Foi durante dias assim, mesmo no limite da estação e com o pôr do sol a cada dia mais cedo, que gozei alguns dias belíssimos de praia com direito a muitos banhos no mar da nossa costa (coisa que há anos não fazia). Senti-me bem, fez-me bem e já sinto saudades...
 
 
 
Ainda que não me sinta completamente restabelecida, decidi voltar à vida blogoesférica, voltar a fazer aquilo que gosto, escrever e partilhar! :)
 
 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A deambular pela cozinha...

... sem ponta de sono!
 
Os ponteiros do relógio da cozinha aproximavam-se da hora a que habitualmente me deito...
- Xiii... quase meia-noite! E eu aqui às voltas...
Sentia-me impaciente (há semanas que me sinto assim) e não parava de vaguear entre o terraço, a cozinha e o escritório desde que acabáramos de jantar. Sentada lá fora, não estava bem... na cadeira do escritório, ainda pior, ir para o sofá da sala, nem pensar, para a cama ler ou tentar dormir, fora de questão... A instabilidade tinha tomado conta de mim como se toda a casa estivesse cravada de alfinetes ou pregos bem afiados e prontos a espetarem-se-me nas carnes. Numa tentativa de me ocupar fazendo algo útil, abri gavetas e armários com intenção de fazer arrumações...
- Mas isto está tudo mais que arrumadinho e limpinho e tudi tudi tudi...
A dança entre divisões da casa continuou, o abre e fecha de armários e gavetas também. Até que cheguei à despensa para me vingar numas bolachitas calóricas ou num quadradito de chocolate preto quando me deparo com dois pãezinhos prontos para congelar. Peguei neles e no saco de congelação, esqueci as bolachas calóricas e o chocolate e...
- Vou fazer uma sobremesa para amanhã!


MIGAS DOCES COM CANELA
 
 
 
2 cacetinhos (160 gr de pão branco comprido de panificação industrial de supermercado)
1 l leite
6 ovos
1+1/2 caneca de açucar branco
caramelo líquido qb
canela qb
 
Liguei o forno a 180º. No liquidificador deitei o pão partido à mão em pedaços grandes e reguei com leite até cobrir. Dei-lhe apenas dois toques de modo a que o pão ficasse grosseiramente picado e envolvido no leite. Verti para um recipiente refractário ligeiramente untado com caramelo líquido. De novo no liquidificador deitei o leite restante, os ovos e o açucar. Deixei misturar bem e verti sobre o pão ensopado no leite. Polvilhei com canela em pó e levei ao forno a cozer durante quarenta minutos. Retirei, deixei arrefecer um pouco e voltei polvilhar com mais um pouco de canela. Foi para o frigo até à hora do almoço de domingo. *
 
 
 
Quando coloquei o doce na mesa as questões começaram:
 
- O que é isto?
- É pudim?
- É tigelada?
 
E eu repondia:
 
- É uma invenção de última hora! (dada a hora e o meu estado deplorável agravado a que foi confeccionada)
- Não! Não! Provem e depois digam de vossa justiça!
... ... ...
 
- Hummm! Que bom!
- Hummmmmm! Tão fresquinho!
- Hummm! Que textura!
- Mas que doce é este afinal?
... ... ...
 
- É bom? Sabe bem? É Gostoso?
... ... ...
 
- Divinal!
... ... ...
 
- São Migas! Migas Doces!
... ... ...
- Migas? Doces? E com canela?
 
E para que soubessem com que se estavam a lambuzar... tive que explicar tudo direitinho!
 
 
* terminada a confecção da sobremesa lá fui eu dormir... mais calmita, mais relaxada...


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Um petisco da época...

... que dispensa receita culinária!
 
 
 
Basta ter à mão uns tomatinhos caseiros e bem madurinhos e uns jaquinzinhos acabadinhos de sair do mar na praia de Vieira de Leiria. A Arte Xávega que podem espreitar aqui. Um jantar de verão muito do nosso agrado...
 
Adoro este petisco! Obrigada R. pelo peixinho maravilhoso :)
 
 
 

sábado, 18 de agosto de 2012

Pensamento tempestivo, ou não... do dia!


Quantas vezes faço um habitual gesto, como enfiar a chave na fechadura e quase não acredito que a porta e a vida são minhas?







Vale a pena pensar nisto...



segunda-feira, 13 de agosto de 2012

A ida à praia...

... estimulou-me os apetites!

No serão do passado sábado, depois de uma tarde de praia, de um belo duche e de um rico jantareco, senti assim um brutal desejo de ir para a cozinha. A idéia era despedaçar um galo e temperá-lo para o assar na manhã de domingo para o almoço. O bicho era rijo, a força e o jeito deviam ter ficado a banhos e a ferramenta dilaceradora disponível não cumpria os requesitos essenciais à difícil tarefa. Entre machadada, facada e tesourada lá se partiu o galo, se temperou e de guardou no frigo.

Numa pausa desta árdua obra e, para recuperar forças, passou-me pela cabeça uma sobremesa. Até me passavam pela idéia imagens ilusórias de algo doce já prontinho a devorar. Constatei que devia estar a precisar urgentemente de ingerir calorias, coisa que ultimamente não tenho sentido falta. Rebusquei o frigo e o stock da engorda à descoberta de ingredientes para confeccionar algo simples, rápido e que me saciasse o desejo... e encontrei!

PUDIM DE RICOTTA



1 queijo ricotta
1 lata leite condensado
1 medida de leite  (da lata de leite condensado)
5 ovos inteiros
1 colher de sopa de açucar baunilhado
caramelo líquido qb

No liquidificador coloquei o queijo, o leite condensado, os ovos, o leite normal e o açucar baunilhado. Bati até ficar uma mistura bem homogénea e verti para um pirex rectangular untado de caramelo liquído. Liguei o forno a 200º. Coloquei lá dentro um tabuleiro com o pirex dentro coberto com papel de alumínio e deitei água já a ferver dentro do tabuleiro. Fechei a porta do forno e o pudim cozeu em banho maria durante cerca de quarenta minutos (o tempo que demorei a cortar o resto do galo, xiça pah, a temperá-lo e a lavar os utensílios usados no esquartejamento e mais os azulejos, o lava-louça e até o chão - aquilo parecia um talho).
Destapei o papel de alumínio com cuidado para não me queimar, fiz o teste do palito e estava cozido. Desliguei o forno, deixei a porta aberta para arrefecer um pouco e depois tirei o tabuleiro com jeitinho (não fosse, por descuido,  a minha sobremesa parar ao chão). Frigorífico com ela e na manhã seguinte desenformei.

E a impaciência para espetar a colher no pudim?

- Calma! Primeiro temos que dar cabo do galo assado em molho de laranja acompanhado de arroz de cenoura e salada de beterraba. Ah! E do vinho, claro! Desta vez foi a prova de um novo nectar, uma garrafinha de Doispontocinco tinto de 2009!
- Ui! Que bommm!

E o pudim??? A repetir, repetir, repetir, repetir... :)

domingo, 12 de agosto de 2012

Sunday's Music




Por cá continuamos a ouvir  música com sabor a verão... A todos vós, boa semana!


sábado, 11 de agosto de 2012

Praiar...

... ler e descansar!

Depois de uma manhã nas lides domésticas em modo muito lento...

- Mãe Bela vamos à praia?
- Ai Titó! Uhhhh...
- Mãe Bela, vá lá?
- Uhhhh... Deve estar muita gente, muita confusão...
- Mãe Bela, não sejas corte! Vamos ficar aqui a fazer o quê?
...
...
- Está bem! Vamos!



Não sou grande fã de praia, mas hoje gostei e muito. A praia estava linda e bem composta.
O mar, não o via assim há imenso tempo. Calmo, com uma cor deslumbrante, bandeira verde e umas ondas catitas a convidar ao mergulho...  e, até fui ao banho. A temperatura da água estava excelente.

Soube-me bem!


terça-feira, 7 de agosto de 2012

Maldito Karma


Depois deste meu post e do mistério que ainda não consegui desvendar acerca dos gatos não tocarem nas formigas e simplesmente ficarem a olhar para elas de bigodes em riste e, pelo comentário lá deixado pela Belita, não descansei enquanto não comprei o livro.
Até há uns dias atrás, procurei-o em tudo o que é livrarias, e nada, não havia nenhuma edição disponível para venda, nem online. E como eu sou paciente e de idéias fixas, pensei "quando o encontrar... não me escapa!"

Ora, numa recente ida às compras ao supermercado e de lista na mão como é habitual, preparava-me para fazer a também habitual ronda pela secção livreira quando a uma distância de poucos metros avisto uma ilha de livros em promoção. No alto da ilha, uma pilha de livros encimada pela capa com o título por mim tão procurado... eu nem queria acreditar... "é hoje, é hoje, é hoje que o levo comigo!". E foi! Há dias de sorte! :)




Sinopse:
Este romance conta-nos as provações e atribulações de Kim Karlsen, uma personalidade de televisão cuja carreira obsessiva lhe traz graves repercussões cósmicas. Kim trai o marido, esquece a filha e maltrata colegas. Tudo parece valer a pena quando ganha o mais prestigiado prémio da televisão alemã, mas nessa mesma noite ela é esmagada por destroços de uma estação espacial russa... No Além, Kim dá-se conta de que, ao longo da sua vida, se limitou a acumular mau Karma, descurou a sua família e amargurou a vida de todos os que a rodeavam. Descobre então o seu castigo: está num formigueiro, tem duas antenas e seis patas… é uma formiga!
Kim não tem a mais pequena vontade de continuar a arrastar migalhas de bolos depois de ter passado a vida a evitar os hidratos de carbono. Além disso, não pode permitir que o marido vá afogar as mágoas da sua perda com outra. Só lhe resta, por isso, uma saída: acumular bom Karma, para ascender na escala da reencarnação e voltar a ser humana. Mas o caminho para deixar de ser insecto e se converter num bípede é duro e está pejado de contratempos.

A minha opinião:
É uma história completamente alucinada, louca de todo.
Repleta de situações impensáveis, irónicas, improváveis, hilariantes, surreais e muito divertidas que me arrancou-me valentes gargalhadas (interiores, porque a Titó diz que nunca me viu rir enquanto lia).
Recomendo!

domingo, 5 de agosto de 2012

Sunday's Music




A idéia e a necessidade de sacudir as penas sugere-me músicas assim... ritmos de verão!*

A todos, em férias ou não, uma boa semana!



* a ver se me permito contagiar pelo som e se me decido a veranear...

terça-feira, 31 de julho de 2012

Vai embora, vai...

... mês de Julho!


Sem imagem...



Volta para o ano e, se não for pedir assim muito... sê um bocadinho simpático, bem humorado, bonito, interessante, divertido, sensato... resumindo,  agradável para com a minha pessoa, sim?!

Agosto, cá te espero... risonho, expedito, inspirador, alegre e bem disposto! (se me falhas, temos o caldo entornado e a burra nas couves e rebeubéu pardais ao ninho!) 



domingo, 29 de julho de 2012

Sunday's Music




Votos de uma excelente semana para todos vós :)

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Ah! É sexta feira...

... e o que eu mais precisava neste momento, assim mesmo mesmo mesmo muito, era ter um programa de fim de semana repleto de adrenalina!



A falta de "fazer coisas diferentes" anda a atrofiar-me completamente e a rotina instalada anda a dar-me cabo dos miolos... Aceito sugestões* de modo a iniciar a próxima semana com um sorriso de orelha a orelha (que é coisa que não tenho visto em mim nem mostrado a ninguém nos últimos tempos)

Muito Agradecida!


* para a partir das 19h30 de dia 28 e até às 23h30 de dia 29

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O queimar das pestanas...

... continua em altas por aqui!

E se as meninas Titó e Nadyta vêm esta fase despachada até crescem... A mãe Bela vai-lhes tratando da substância activa para ajudar a revitalizar os ticos e os tecos e elas, ficam contentes, pois então!

Uma voltinha ao frigo para ver no que param as modas, que é como quem diz, inspeccionar o stock e decidir uma refeição prática, rápida e substanciosa. Algo que lhes sacie o apetite e lhes forneça energia para continuar.

Frango caseirinho cozido e já desfiado num tupperware e espinafres arranjados... vai sair uma quiche. Já aqui publiquei uma com esta composição, mas como numa tarte salgada deste tipo se pode variar tanto quanto os ingredientes que temos à mão e mais os que estão à espera de aproveitamento, é só dar largas à imaginação, et voilá!

QUICHE DELÍCIA de frango, espinafres, farinheira e tomate




1 base massa folhada*
frango cozido e desfiado
3 dentes de alho bem picados
azeite qb
1 molho de espinafres arranjados
1 farinheira
4 ovos
200 ml natas
1 tomate
oregãos qb

Comecei por regar o fundo do wok com azeite e deitar-lhe os alhos picados. Deixei fritar ligeiramente (sem queimar) e juntei os espinafres seguidos do frango desfiado. Envolvi bem e cozinhou um pouco até misturar bem os sabores. Enquanto isso, a farinheira foi ao micro-ondas (quatro minutos porque o meu micro é da idade da pedra) devidamemte picada e tapada para não rebentar e deixá-lo todo sujo. Retirei-a, arrefeceu ligeiramente, fiz-lhe um corte longitudinal de forma a que a pele saísse inteira e acrescentei ao preparado no wok desfazendo ligeiramente todo o interior e envolvendo bem para fundir os sabores. Enquanto isso, forno quente a 200º e a massa folhada estendida e picada com um garfo na tarteira. Verti a mistura, juntei os ovos batidos com as natas incorporadas, dispus o tomate cortado em rodelas por cima, polvilhei-o com oregãos e foi ao forno a assar cerca de 35 minutos.

Arrefeceu e, comeu-se! Muito, muito, muito bem por sinal!
E as meninas, foram continuar a queima da pestana bem reconfortadinhas! :)


*a massa folhada que usei foi da marca própria do Pingo Doce e posso dizer que foi a primeira vez que comprei e vou comprar muito mais vezes. É das melhores que já adquiri, fica bem lourinha e estaladiça e sem gordura nenhuma.
Não usei sal nenhum porque a farinheira já é temperada e o frango também estava.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Mesa posta...

... para a ceia?



Na... são mesmo três felinos em cima da mesa da cozinha. Fui dar com eles muito atentos ao esvoaçar de um insectozito em volta da luz embutida no móvel da cozinha e aqueles olhares exprimiam assim um - Ai se t'apanho! - todos em coro!

Enquanto isso, xô D. Petit Manuel, que não está para estas aventuras, dorme profundamente na cadeira à minha frente. Chefe de família felina é mesmo assim...


domingo, 22 de julho de 2012

Sunday's Music



 
Só porque a única coisa que me sabia bem agora era... um bilhete de ida!

E vinda, vá! Ou será que soa melhor, volta? (friends joke eheheheh)

Boa semana!


terça-feira, 17 de julho de 2012

Duas estudantes...

... a queimar os neurónios e um miminho para elas! E para mim também ;)

No local da tasca mais aprazível desta altura do ano, a esplanada, nem uma leve brisa se fazia sentir e o termómetro indicava uma temperatura demasiado elevada para se suportar sem derreter.
- É melhor ficarmos cá dentro! - dizia a Titó.
- Mais logo pela fresca aproveitam o terraço!- aconselhava eu.
- É melhor! É melhor! - a Nádia pactuava.
Cá dentro, elas, as meninas, estudavam, debatiam matérias, trocavam impressões, esclareciam dúvidas. Mãe Bela tratava dos seus afazeres e delineava o jantar. Com este calor, vamos jantar no terraço e uma sobremesa leve e fresca vai saber muito bem, e elas... merecem! - pensava eu enquanto arrumava a secretária depois de terminado o meu trabalho.

Assim, saíu este:

TRIPLA MARAVILHA



Comecei por fazer o molho de morango, o tão conhecido Coulis de Morango.


500 gr morangos lavados e sem pé
200 gr açucar
sumo de um limão

Numa caçarola coloquei os morangos cortados em quartos, juntei o açucar e o sumo de limão. Levei ao lume e deixei cozinhar por cerca de dez minutos depois de levantar fervura mexendo de vez em quando. Retirei. Deixei arrefecer um pouco e deitei no liquidificador para reduzir tudo. Foi ao frigo até ficar bem frio.

Mesmo antes de irmos para a mesa, tratei de fazer a sobremesa.

3 iogurtes gregos naturais sem açucar de 150 gr cada
3 pares de bolachas recheadas de chocolate

Piquei as bolachas e reservei. Deitei os três iogurtes numa taça e mexi-os bem com uma colher para os envolver bem. Nas taças onde foi servida a sobremesa, cobri o fundo com bolacha picada, cobri com iogurte, depois outra camada de bolacha picada e outra de iogurte. Preenchi com o coulis de morango. Enfeitei cada taça com um quarto de morango e uma folha de hortelã. Levei ao frigo até acabarmos de jantar.

A sobremesa foi feita à conta, três pessoas, um iogurte e uma bolacha por cabeça. O coulis de morango na proporção que fiz rende para outras sobremesas ou até para um batido.

Recomenda-se!


domingo, 15 de julho de 2012

Sunday's Music



Verão, ritmo, cor, animação... Boa semana!



terça-feira, 10 de julho de 2012

Dona Horta...

... e legumes, frutas e aromáticas fresquinhos todas as semanas!

Um projecto onde se reúnem pequenos produtores hortícolas e frutícolas com o objectivo de promover e estimular com sustentabilidade e de forma justa e saudável estes alimentos tão imprescindíveis na nossa alimentação. *

Tomei conhecimento desta iniciativa em finais do ano passado. Depois procurei informação e encontrei o site onde explica tudinho. Inscrevi-me e foi uma óptima decisão.

Na sexta feira ou sábado anterior à entrega dos cabazes recebo o e-mail com o seu conteúdo e com as trocas disponíveís. Confirmo também por e-mail e caso opte por fazer alguma troca faço menção dela e, a partir daí mal posso esperar para que chegue o dia em que vou buscar o meu cabaz, a terça-feira seguinte ao final da tarde.



Vem recheadinho de legumes frescos, ervas aromáticas e frutas. É um regalo!



Olhem só a composição do cabaz desta semana :)


E vocês, já conhecem este ou outro projecto do género?


* Toda a informação aqui no site da Dona Horta


segunda-feira, 9 de julho de 2012

Almoços domingueiros de verão...


... que sabem bem!

A temperatura tem estado amena e ainda bem para mim. O vento tem-se feito sentir e desagrada-me. Em compensação os grelhados ao almoço dos últimos domingos têm sido maravilhásticos!

Acendo as brasas, arranjo o feijão verde e descasco as batatinhas, ponho a cozer em água temperada de sal e ralo as beterrabas para a salada mais apreciada do momento. Enquanto isso, alguém trata de assar o peixe fresquinho, alguém que tem gosto no que faz e sabe fazê-lo bem. Outro alguém põe a mesa a preceito. Corta-se o pão ainda morno, abre-se a garrafa do vinho para respirar, tempera-se a salada, e... Depois de seis mãos nos preparativos da refeição, sentamo-nos à mesa com a habitual companhia da família felina feliz sentada na sua cadeira, atenta a todo o movimento e à espera de ver cair no seu prato o quinhão de peixinho a que têm direito.

No passado domingo foi assim: carapau grelhado com batata e feijão verde cozidos e salada de beterraba. Assim que se retira o peixe das brasas, rega-se com um fio de azeite e polvilha-se com cebolinho picado. Depois, no prato, cada um tempera como mais gosta e normalmente é com mais um pouco de azeite.


(carapauzinho pronto a ir para os nossos pratos - o dos meninos já estava arranjado no prato deles)




(o meu prato)


A sobremesa de ontem, foi mais uma especialidade da Cova da Beira. Desta vez, as Delícias de Cereja!*


E que delícias... DIVINAIS!

No domingo anterior, a única diferença foi o peixe. Robalinhos. E o tempêro à saída da grelha foi o habitual fio de azeite e sumo de limão.


(comidinha pronta na mesa)




(o meu prato)

Estes almoços domingueiros são por excelência uma "lufada de ar fresco" na rotina semanal. São almoços demorados... com muita conversa e animação pelo meio e fartos em maluqueira! E depois, há aqueles domingos em que aparece alguém para a sobremesa e para o café e, quando damos conta passámos meia tarde à mesa... sabe tão bem e até os miaus adoram :)


Os miaus já lamberam o prato todo! Sim, eles sentam-se na cadeira deles à mesa mas quando o pratinho deles está pronto (peixe limpo de peles e espinhas) comem com o prato no chão. Depois vão fazer macadas, querem brincadeira, mas estamos nós a saborear calmamente o nosso petisco... até que, de barriguinha satisfeita do peixinho fresco domingueiro se decidem por uma bela soneca :)



* Já vos tinha mostrado aqui os famosos Pastéis de Nata de Cereja, bons , muito bons, mas... as Delícias de Cereja... ui ui... são muito muito melhores ;)


domingo, 8 de julho de 2012

Sunday's Music



Ritmo de verão e uma espantástica semana a todos! :)




quinta-feira, 5 de julho de 2012

Um Refúgio Para a Vida

Na minha falta de assiduidade pela blogoesfera e da minha necessidade de me manter mais afastada do que é normal das lides cibernéticas, posso dizer que tenho aproveitado bem o tempo. Tenho lido mais, tenho lido muito. Um livro é sempre aquela excelente companhia quando nos sentimos exaustos. Um livro não nos pede nada, não fala quando precisamos do silêncio, não reclama se não lhe damos atenção, não grita porque se chateou com alguém, não suspira porque não se sente angustiado, não se queixa da crise nem das medidas de austeridade nem do preço do pão ou do combustível, não pede comida nem roupa lavada. Um livro espera por nós. Aguarda o tempo que precisamos para o abrir, para começar a absorver as primeiras páginas, para entrarmos na história. Aguarda todo o tempo do mundo que necessitamos para o abrir e fechar as vzes que forem necessárias. Compreende quando os olhos se querem fechar vencidos pelo cansaço e fica ali pousado à espera de novo acordar e de voltar a ser folheado. Página a página, capítulo a capítulo o enredo desenrola-se e a nossa atenção prende-se cada vez mais, e de repente ora nos sentimos dentro história, presos a ela, ora passamos a uma espécie de vizinhos ou amigos dela. E queremos muito ajudar uma personagem, dar idéias a outra, pegar outra ao colo ou dar-lhe um valente abraço. Claro que, tudo isto depende do género de literatura, da forma como se interpreta e da exultação sentida ao vivê-la.

Do tão famoso autor americano, Nicholas Sparks, este foi mais um que me agradou de sobremaneira. Quase arrisco a dizer que é o melhor de todos, mas não o faço porque também gostei muito dos outros (de todos os publicados em Portugal só me falta ler o "Dei-te o Melhor de Mim" que está ali na estante e na fila em espera). Bem sei que gostos não se discutem e que há muito boa gente que apelida a escrita deste autor como insípida, lamechas, mais do mesmo e por aí adiante. Não faço parte desse clube e assumo que sou uma super fã dele. Cada história é uma só e todas elas podiam ser reais.



Sinopse:

Quando Katie vai viver para a pacata cidade de Southport, na Carolina do Norte, todos se interrogam sobre o seu passado. Que mistérios esconderá aquela jovem bonita que parece determinada em encobrir os seus encantos e evitar novos relacionamentos? No entanto, e apesar de todas as suas reservas, Katie começa a criar raízes naquela pequena comunidade, à medida que uma nova amizade e um novo amor lhe vão fazendo baixar as defesas. Mas os fantasmas do passado, que minam a sua capacidade de confiar nos outros, continuam a persegui-la, a aterrorizá-la, e o peso do segredo que esconde é demasiado grande… Neste romance avassalador, Nicholas Sparks traz-nos uma protagonista fragilizada que tem de aprender a lidar com as suas sequelas se quiser voltar a amar.


Gostava muito de ver este romance no cinema! E um livro é um bom refúgio para a vida :)

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Rica tarde...

... em amena cavaqueira com o ferro de engomar!



Tudo começou logo de manhãzinha quando abri o roupeiro onde repousa o cesto com a roupa lavadinha e dobradinha à espera que alguém, moi même, lhe passe o ferro quente por cima. O monte era tão grande que tombou direitinho às minhas mãos. Vá lá, consegui ampará-lo e voltar a aconchegá-lo. Fechei a porta com jeitinho e lembrei-me que me faltavam peças de roupa nas gavetas para usar. Também já tinha ouvido perguntar por esta ou aquela peça que tinha ido para lavar e não tinha regressado a outro roupeiro, ao que respondi que o serviço de lavandaria cá da tasca estava atrasado por via de outros assuntos mais importantes a tratar, por via do calor que se havia sentido nos últimos dias e ainda por via de não apetecer cumprir esta árdua tarefa em tempo de verão.
Depois do almoço e depois de mais uns afazeres prioritários, tratei de ir buscar o ferro de engomar e a tábua para a cozinha. Seccionei o monte da roupa e fui pousando em cima da mesa da cozinha. Tudo a postos para a dar início ao trabalho e, às habituais conversas com o meu querido instrumento de auxílio às lides domésticas.
- Ó dona minha... Há quanto tempo não me ligavas nenhuma...
- Tens razão! Sentiste a minha falta?
- Muita mesmo! Sobretudo das nossas tertúlias sempre tão úteis e produtivas! Cof cof cof!
- Mau! Estás a gozar comigo ou é mera impressão minha?
O meu ferro de engomar é esperto e inteligente ao mesmo tempo. Manda-me assim umas piadas secas mas também reconhece que nos momentos em que estamos só nós dois, para além de despachar-mos trabalho, também fazemos reflexões, ajustamos contas com a vida, fazemos planos, delineamos estratégias e tem dias em que sonhamos... sonhamos... sonhamos...
Como a tarde prometia ser longa tivemos tempo para tudo e de repente ele sai-se com uma idéia genial. Ele conhece-me bem, topa-me à légua e acertou em cheio ao dizer-me:
- Ó dona minha... precisas dar uso ao verbo "ir"!
- Ir?!?! Eu todos os dias vou!!!
- Não te faças de desentendida! Ir mulher! Ir! Mudar de ares! Arejar as idéias!
- Ai meu querido... mas eu vou! Na passada semana fui três dias seguidos! Ainda ontem, voltei a ir!
- Foste sim! E ontem bem reparei, voltaste cansada! Aborrecida! Chateada! Na na na na... não é nada desse ir que eu me refiro!
- Sim, fui e voltei! Tratei do que tinha a tratar! Cheguei com a língua de fora de tanto calor! E apesar de conduzir ser um dos meus maiores prazeres, concordas comigo no que toca a fazer quilómetros por uma estrada nacional cheia de camiões, semáforos, limites de velocidade, piso podre de mau e calor... certo?!
O blá blá blá continuou... até que ele me interroga:
- Interior alentejano diz-te alguma coisa?
- Não me infernizes os poucos neurónios que ainda se mantêm em funcionamento, por favor!
- Turismo Rural, uma piscina, uma espreguiçadeira, um livro, uma noite quente a observar as estrelas cadentes, um petisco daqueles acompanhado de um belo tinto...
- Pronto! Pronto! Já chega! Agora não dá nem para pensar nisso!
Instalou-se o silêncio entre nós. Só o vai vem do ferro e o som do vapor a sair. As peças saíam certinhas e direitinhas ao monte a que pertenciam e prontas a arrumar e, quando dei por mim já estava a elaborar uma lista mental do que tinha que fazer até sair de casa, do que tinha que preparar para levar para uns dias de qualidade à alentejana. Íamos todos juntos. Mãe Bela ao volante, Titó ao lado e os meninos no banco de trás. Napoleão Manuel à esquerda a olhar os passaritos que sobrevoavam os chaparros e os campos de feno já amarelecido. Lira Maria e Pipoca Maria sempre ao meio a conversar connosco e a rezingar com os rapazes do lado. Petit Manuel à direita a observar o trânsito e sempre a perguntar se ainda falta muito para chegarmos.
O toque do telefone soou tão forte e inesperado que interrompeu aquele sonho visualizado. Atendi. Do outro lado alguém me pedia que elaborasse com urgência uma reclamação por escrito para uma entidade financeira. A voz do lado de lá saía enérgica e irritada. Eu do lado de cá sentia dificuldade em captá-la e assimilá-la. Levei algum tempo em situar-me no foco da questão em causa e isso foi perceptível a quem mo implorava.
- O que estás a fazer?
- A passar a roupa a ferro!
- Ah bom! Continua lá que mais tarde explico-te melhor!
A minha conversa com o ferro de engomar apagou-se ali. O meu sonho fora interrompido e estava a ser bonito. As minhas antenas voltaram-se para aquilo que mais tenho feito ultimamente. Reclamações por escrito com direito a um número considerável de páginas. Verdadeiros dossiers com anexos e comprovativos disto e mais daquilo. Estou tão perita neste assunto que se eu já há muito e muito tempo tinha a certeza de ter errado na profissão, cada dia que passa me mostra mais evidências disso mesmo.
- Dona minha, o assunto não morre aqui! A roupa está em dia e vai para as gavetas e roupeiros. Eu vou para o meu armário e tu... prometes-me que alivias a carga que te pesa nos ombros mesmo que o Interior Alentejano não seja o destino!
- Vou tentar meu ferrozinho de engomar! Vou tentar!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...